The Latest

Mostrar mensagens com a etiqueta A DITADURA DA IMAGEM. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta A DITADURA DA IMAGEM. Mostrar todas as mensagens

A ditadura da imagem. A aparência altera a forma como as pessoas são tratadas? Parece que sim. É impressionante como as roupas que escolhemos podem influenciar o nosso dia-a-dia, na interacção com os outros. No vídeo que se segue, podemos assistir a mais uma "experiência social". Vejam as reacções e mais um exemplo comportamental que envergonha os chamados "seres humanos"...!!!



Deparei-me com este vídeo e não pude deixar de partilhá-lo convosco. Até porque neste espaço, além de outros temas, falamos de moda e imagem. E, tal como todos sabemos, diariamente julgamos e somos julgados pela nossa aparência, mesmo que seja de uma forma inconsciente. Vivemos na era visual. 

A nossa imagem fala de nós, comunica com os outros. Segundo estudos, a primeira impressão é medida prioritariamente pela aparência (55%), seguindo-se o tom de voz (38%) e depois o conteúdo e conhecimento (7%). Isto, claro, nos primeiros instantes, quando conhecemos alguém pela primeira vez. É algo instintivo. Todos o fazem.

A aparência altera a forma como as pessoas são tratadas? Parece que sim. É impressionante como as roupas que escolhemos podem influenciar o nosso dia-a-dia, na interacção com os outros. 

Contudo, há pessoas que mostram um comportamento completamente incorrecto (para não dizer outra coisa!) ao não terem compaixão por aqueles que nada têm e ao serem totalmente indiferentes perante os mais desfavorecidos. No vídeo que se segue, podemos assistir a mais uma "experiência social", em que são recriadas duas situações com o objectivo de confirmar a reacção das pessoas: na primeira situação, vemos um homem de muletas, vestido formalmente e que sofre uma queda. Na segunda, outro homem recria a mesma cena, mas desta vez o actor apresenta-se como um sem-abrigo. Vejam as reacções e mais um exemplo comportamental que envergonha os chamados "seres humanos"...!!!


a ditadura da imagem, considerações, biótipos, valorização pessoal, consultoria de imagem, a ditadura da beleza, augusto cury, jessica athayde, passerelle, mulheres reais, autoestima, autoconfiança, dove, vídeos, style statement, blog de moda portugal, blogues de moda portugueses, cláudia nascimento, dr gail dines



Vivemos, é certo, numa Ditadura da Imagem ou, como refere Augusto Cury, numa Ditadura da Beleza. São os parâmetros perfeitos do rosto, do corpo. Exige-se a perfeição e nada mais do que isso. Basta ver o caso recente de Jessica Athayde, que foi severamente criticada (especialmente por mulheres, curioso) por supostamente estar "gorda", ter celulite e não ter o tão "esperado" corpo para poder pisar uma passerelle, como se isso fosse algo unicamente exclusivo das modelos profissionais, que, por sinal, são magras. Mas contraditoriamente também se criticam ferozmente estas ditas modelos, que são chamadas de anorécticas, esqueletos andantes e por aí fora... Mesmo aquelas que não são assim tão magras, nem padeçam realmente de tal doença. Sim, porque há modelos que não são anorécticas, mas apenas magras. Tão simples como isso. Nem todas passam fome, nem fazem grandes dietas e podem até comer fast-food sem engordar uma grama, porque lá está... é a questão da bendita genética. E é precisamente isso que parecer "irritar" certas mulheres que apontam o dedo a quem tem o "azar" de ser magra. 


Quem são as 'Mulheres Reais' (algo que tanto se fala)? São as 'cheinhas' como quer a Dove fazer crer?  Não, certamente. Há mulheres dos mais variados tipos. Mulheres "Reais", do dia-a-dia são Todas: magras, gordas, altas, baixas... E é esta diversidade que deve ser aceite e celebrada por cada pessoa. Não se deve seguir o caminho da ostracização, somente com o objectivo de tentar melhorar a autoestima de um grupo. Não é mesmo por aí. 


Autoestima é algo muito mais complexo do que parece à primeira vista e passa pela total aceitação de si mesmo, com todas as qualidades e defeitos. É gostar realmente de si mesmo, valorizar os pontos fortes, estar contente consigo mesmo e não se comparar aos outros, nem desejar ter o que os outros têm. Mais autoestima, mais autoconfiança tornará as mulheres muito mais felizes e, claro, mais agradáveis e simpáticas com as outras mulheres. E é algo que não se consegue numa marquesa de cirurgia estética. Querer mudar o corpo, por si só, já denuncia essa falta de amor próprio, essa concentração nos aspectos negativos e rejeitá-los a tal ponto de querer mudá-los. E depois da mudança será que se consegue efectivamente essa dose de verdadeira autoestima? Não creio. Pode aparentar uma melhoria, mas é só. Ou ela já existe ou então não será por esse "milagre" da medicina.


Como Consultora de Imagem, sempre digo que existem vários tipos de corpo e todos eles devem ser celebrados. Cada pessoa é única, com características muito específicas. Valorizar os pontos fortes e aceitar os menos positivos é a chave. E assim aprender a vestir-se de acordo com o corpo que se tem. Sem dramas. Com total clareza e descontração. 


O vídeo que se segue demonstra bem o conceito distorcido/negativo que as mulheres têm sobre si mesmas.